Arquiteto Rico Mendonça dá dicas de iluminação para deixar a casa mais aconchegante

Já falamos aqui que a iluminação tem um papel indispensável na criação de cenários, seja cumprindo a sua máxima função que é a de iluminar, seja decorando um ambiente. O blog Feito Casulo conversou com o arquiteto Rico Mendonça e ele divide com a gente algumas dicas. Veja como explorar a iluminação e deixar espaços da sua casa aconchegantes.

Vamos começar pela escolha das lâmpadas. As opções de LED estão dominando o mercado e chegam a uma economia que varia entre 75% a 95% no final do mês. “Temos as frias (lâmpadas brancas) e quentes (amarelas). Eu fico no meio termo, por isso sempre uso a lâmpada de 2.700k, que na minha opinião reproduz o mais próximo da luz do dia, dá mais equilíbrio às cores e fideliza as mesmas (não muda tanto os tons)”, explica.

Quanto ao estilo de iluminação, o arquiteto varia bastante nos projetos de interiores. Usar abajures está entre as suas preferências. “Acho que dá a sensação de acolhimento ao ambiente e aquele ar de casa. Eles podem ser ligados individuais ou por sistemas inteligentes de controle pelo celular ou pelo tablet, por exemplo.”

CF 154_21 (3)

cf072 - branco (2)

cf079G - laranja (2) CF146_preto (2)
Contemporanea1 (2) cf084 (2)

 

Nos dormitórios Rico gosta de explorar a luz nos painéis (da cabeceira, da televisão, rodapés dos armários), além de abajures laterais (aplicados nos painéis tipo arandelas articuladas, ou de pé sobre o móvel de apoio lateral). O plafon, que costuma produzir a luz geral do ambiente pode ter várias formas e texturas nos revestimentos. Os pendentes laterais, sobre os criados-mudos da cama ficam supercharmosos e não necessariamente precisam ser idênticos, sugere o arquiteto. “Pelo contrário, assimetria, dependendo do contexto e do estilo do ambiente, pode ser o destaque do projeto.”

al011G (2) cf049G - metal escovado (2) CF136 Contemporanea3 zg174fume (2)

Quando o assunto é a sala de estar, boa opção é o abajur de coluna, que rebate a luz no teto e traz uma iluminação linda, lembra Rico Mendonça. “Outra dica são as arandelas embutidas, que podem servir de balizadores nas paredes, não ocupam muito espaço e dão pontos de luz inusitados”, diz.

Vale lembrar que o layout dos ambientes é que vai dar o norte para um bom projeto luminotécnico. Por exemplo, quando o espaço é reduzido, sem opção de uma superfície como apoio para uma luminária de mesa, a sugestão é apostar em luminárias e/ou abajures articulados, aplicados em painéis ou na parede. “Esta solução libera espaço sobre as bases de apoio e ainda dá um toque mais contemporâneo à decoração”, ressalta.

Mais soluções de iluminação decorativa você pode ver aqui.

HN001_2 (2)
HN002_11 (2)

 

Hoje o mercado tem uma gama muito grande de luminárias de piso, de parede, e em estilos variados. Mas na hora da escolha é sempre bom levar em conta algumas questões. Vai depender do tipo de destaque ou de luminosidade que se deseja para o espaço.

Rico gosta bastante do trilho, já que pode se direcionar e diversificar o tipo de iluminação. No caso do abajur, a vantagem é que a cúpula pode ser adequada ao momento, ou seja, mesmo os antigos podem ter a cúpula repaginada, revestida com tecidos atuais ou ganhar formatos novos, dando uma nova identidade à peça.

Abajures hoje trazem ainda acabamentos metalizados. Se apostar num pendente lateral, o volume e o tipo de cúpula ou revestimento da lâmpada serão direcionados pela altura da mesinha lateral e podem variar de 70 centímetros a um metro. Segundo o profissional, existem algumas regras, mas nada como ousar e experimentar. A vantagem dos pendentes laterais é que geralmente vêm com excesso de fio (que leva energia até o bocal) e pode-se fazer testes antes de definir a altura final.
“Sempre digo que luz e sombra têm que estar em equilíbrio. Um projeto também tem que ter sombras, estratégicas, para que a luz possa dar destaque onde é necessário”, destaca.

Fotos deste post são da Luciin Iluminação Decorativa. Mais ideias você encontra no site da Luciin.

Continue Reading

O charme da iluminação decorativa com luminárias pendentes

A luz vai além da sua função – que é a de iluminar – quando o assunto é decoração. Capaz de criar diferentes cenários, a iluminação tem um papel não só funcional, mas também estético no layout de interiores. Hoje, as luminárias pendentes, por exemplo, são bastante usadas em projetos decorativos, sejam eles residenciais ou comerciais.

As luminárias pendentes podem aparecer sozinhas para dar efeitos a focos pontuais, seja sobre uma mesa de jantar ou sobre um criado-mudo, e se for o caso, podem ser dispostas uma ao lado da outra, por exemplo, para iluminar uma bancada gourmet ou de um bar. A iluminação pendente é charmosa, porque destaca uma luz suave. E o melhor, o mercado oferece uma variedade de modelos para compor estilos diferentes no décor.

A catarinense Luciin, especializada em iluminação decorativa, compreende exatamente a importância de um projeto luminotécnico para evidenciar a composição de cenários e por isso está sempre atenta às novidades. A empresa entende que direcionamento e a frequência de claridade valoriza os espaços. A iluminação, além de realçar peças do mobiliário, quadros, objetos de decoração, proporciona também a sensação de amplitude ou até mesmo interfere na temperatura e linguagem do ambiente. Nesse sentido, a partir de pesquisas de ponta em tendência, design e materiais, a Luciin procura oferecer modernidade e tecnologia. No portfólio são mais de 900 produtos, entre eles, as luminárias pendentes.

Confira uma seleção de modelos de pendentes oferecidos pela marca de SC às lojas do segmento de todo país.

iluminação decorativa Luciin iluminação decorativa Luciin iluminação decorativa Luciin iluminação decorativa Luciin iluminação decorativa Luciin zg235dourado

Continue Reading